Circulação silenciosa: novo coronavírus pode estar presente em morcegos há décadas

A linhagem que resultou no surgimento ao vírus causador da Covid-19 pode estar presente em morcegos há décadas,segundo um estudo realizado por um grupo de cientistas da China, Europa e Estados Unidos, e publicado nesta semana no jornal acadêmico Nature Microbiology.

Os pesquisadores tentaram reconstruir a história de evolução do vírus Sars-CoV-2 e o que eles encontraram pode auxiliar a prevenir futuras pandemias, de acordo com informações da Universidade de Glasgow, cujos cientistas contribuíram com os estudos.

Eles descobriram que a linhagem à qual o vírus causador da Covid-19 é pertencente de outros vírus de morcegos, a aproximadamente há 40 e 70 anos. A instituição mostra na pesquisa que o Sars-CoV-2 divergiu de um outro tipo de coronavírus, chamado RaTG13, em 1969 – os dois são geneticamente similares (cerca de 96%).

Os cientistas entenderam que um dos traços mais antigos que o Sars-CoV-2 partilha com seu ancestral RaTG13, e é o domínio de ligação ao receptor localizado na proteína spike, a qual permite que o vírus reconheça e se conecte aos receptores na superfície das células humanas.

“O novo coronavírus tem um material genético que é altamente recombinante, o que significa que diferentes regiões do genoma do vírus podem ser derivadas de múltiplas fontes”, detalhou Maciej Boni, professor associado de biologia da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos EUA.

Segundo ele, essa facilidade de se recombinar dificulta a reconstrução da verdadeira origem do vírus. “É preciso identificar todas as regiões que têm se recombinado e traçar sua história.”

Dessa forma, o grupo de cientistas se aprofundou na análise do genoma do vírus Sars-CoV-2 para identificar e remover as partes que se recombinam.

Posteriormente, reconstruíram as histórias das regiões que não se recombinam e compararam umas com as outras para tentar determinar quais vírus específicos estavam envolvidos nas recombinações passadas. 

A partir deste ponto, os pesquisadores conseguiram reconstruir as relações evolutivas entre o Sars-CoV-2 e os vírus conhecidos mais próximos de morcegos e pangolins.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Conteúdo relacionado