Acordo integra rede de proteção do Disque 100 e do Ligue 180 com o MP

por assessoria

Uma parceria firmada para integrar os canais da rede de proteção de direitos humanos aos órgãos do Ministério Público vai melhorar o fluxo de encaminhamento das denúncias recebidas pelo Disque 100 e Ligue 180. O compartilhamento das informações, garantido por meio de um acordo de cooperação técnica, permitirá a formação de uma base nacional de dados, além da otimização do atendimento e apuração de casos de violações.

O acordo assinado pela titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), ministra Damares Alves, pelo presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e procurador-geral da República, Augusto Aras, pelo presidente do Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público dos Estados e da União, Erickson Dos Santos, e pelo presidente do Conselho Nacional da Procuradores-Gerais (CNPG), Fabiano Dallazen, teve a adesão de representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT) e também de procuradores-gerais dos estados em cerimônia realizada nesta quarta-feira (14).

O documento estabelece que cada órgão terá um plano de trabalho específico, de acordo com a realidade local. “Vamos transformar nossas lágrimas em ações efetivas. Precisamos dar uma resposta à sociedade. Essa notícia da nossa parceria será transformada em esperança para muitas pessoas. Não vamos baixar a guarda. Esse é o compromisso que faço. Vamos continuar trabalhando muito. Para que a violência tenha um basta nesse Brasil”, afirma a ministra Damares.

Para o procurador-geral da República, a assinatura do termo de cooperação mostra a contribuição do Conselho para a defesa de vulneráveis. “O Ministério Público coloca-se em uma posição, junto ao Estado brasileiro, de combate à violência contra os direitos humanos”, falou ao reprovar condutas que não condizem com o processo civilizatório.

Segundo o presidente do CNPG, o estabelecimento desse fluxo promoverá uma mobilização maior de todos os órgãos envolvidos. “Que cheguem as denúncias, que elas sejam apuradas e que a gente possa dar uma resposta. Toda a articulação só tem sentido se conseguirmos melhorar a proteção às pessoas vítimas de violência. Essa soma de esforços precisa ser operacional e precisa acontecer. Eu tenho convicção de que da forma que está sendo trabalhado este acordo, isso vai acontecer”, disse.

O acordo é realizado por meio da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), responsável pelos canais de atendimento . “É extremamente importante a participação do Ministério Público como vetor principal de enfrentamento às violações de direitos humanos no nosso país. Nesta gestão, a gente vem realizando uma aproximação com tecnicidade e elementos de Estado, tentando evitar o papel de Ouvidoria de governo para implementar uma Ouvidoria de Estado”, afirma o ouvidor nacional de direitos humanos, Fernando Ferreira.

Para o ouvidor nacional do Ministério Público, Oswaldo D’Albuquerque, a celebração do acordo representa um marco de união das instituições em prol da sociedade. “Este é mais um ato concreto do Ministério Público em defesa do cidadão. Quando trabalhamos em parceria, de forma integrada, minimizamos dificuldades e potencializamos os resultados. Iremos também fortalecer a nossa rede de ouvidorias do MP junto ao CNMP e ao CNMP”, afirmou.

Novo sistema

O recebimento, encaminhamento e processamento de denúncias referentes às atribuições do Ministério Público serão realizados por meio de um novo sistema criado pela ONDH. A ferramenta trará avanços no fluxo de acompanhamento e adoção de medidas pertinentes, principalmente no que se refere à proteção de direitos.

O sistema será disponibilizado pela ONDH com senhas de acesso para que órgãos do Ministério Público brasileiro possam acessar denúncias de violação de direitos humanos, cadastrar órgãos parceiros, inserir e tratar suas próprias denúncias recebidas. O fluxo será realizado com os endereços e agentes específicos e o encaminhamento ocorrerá por ofício à central de atendimento do MMFDH.

O novo sistema para o aperfeiçoamento do fluxo de denúncias faz parte de uma série de melhorias nas ferramentas que a atual gestão da Ouvidoria do MMFDH vem implementando com o Sistema Integrado Nacional de Direitos Humanos (Sindh). As 34 iniciativas do Sindh foram construídas com base em macros objetivos estabelecidos pela ONDH.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Conteúdo relacionado